Ilustração Presenteísmo

4 minutos de leituraO estresse financeiro aumenta o presenteísmo: você sabia?

Você sabia que o estresse financeiro aumenta o presenteísmo? Poucos gestores associam essa relação de causa e consequência, mas a verdade é que problemas de ordem financeira podem prejudicar significativamente a produtividade de seus colaboradores. Saiba quais são as soluções para sair desse problema e elevar a produtividade da sua companhia.

Apesar dos esforços dos gestores para melhorar a qualidade do ambiente de trabalho e a qualidade de vida do trabalhador, muitos ainda se sentem desmotivados e com baixa produtividade.

Isso acontece porque nem sempre a falta de produtividade é ligada, diretamente, a questões internas da empresa. Como treinamento inadequado, pressão em excesso ou falhas no planejamento corporativo.

O presenteísmo pode ser motivado por dificuldades financeiras do colaborador e os gestores precisam estar mais atentos a esse problema que tem se tornado comum.

Atualmente, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio (CNC), mais da metade das famílias brasileiras está endividada. Um dado extremamente preocupante e que deve ser levado em consideração.

A consultoria PwC realizou, nos Estados Unidos, um estudo sobre o assunto e identificou que 53% dos trabalhadores estão sob forte estresse devido às suas finanças.

E esse cenário pode refletir diretamente na queda de produtividade no trabalho. Prejudicando não somente o próprio colaborador como também gestores e a empresa como um todo.

O que é presenteísmo?

O termo se refere a uma forma de ausência, porém não como estamos acostumados. O presenteísmo se configura na presença do trabalhador no local de trabalho, mas com a incapacidade de se dedicar completamente às suas atividades.

Ou seja, o colaborador está presente fisicamente, porém está desconectado, com pensamentos que passam longe das atividades do trabalho.

Esse é um sintoma relacionado à uma grande carga de estresse, dentro ou fora do trabalho, que faz com que a pessoa não consiga se desconectar do ambiente externo para dar conta de suas tarefas.

Não chega a ser considerado uma falha de caráter ou má índole do funcionário que se recusa a produzir. Mas é um desvio do padrão comportamental que os gestores esperam de um funcionário no ambiente de trabalho. 

Além disso, pode gerar uma situação de bastante conflito entre colaborador e empresa. E até mesmo com colegas de trabalho, por isso deve ser tratado para que não interfira nas atividades da empresa.

Veja também:  A importância da cultura empresarial

Como o estresse financeiro aumenta o presenteísmo?

De acordo com a pesquisa Global Benefits Attitudes, realizada com empregados de grandes empresas brasileiras, 62% dos trabalhadores estão preocupados com a sua saúde financeira, sendo que 22% afirmam estar extremamente preocupados com as dificuldades financeiras, que afetam negativamente as suas vidas.

O levantamento ainda apontou que dentre os que apresentam problemas financeiros (22%), apenas 31% estão realmente engajados com suas atividades no trabalho.

Em contrapartida, dos que não estão preocupados com sua situação financeira, 54% se consideram altamente engajados.

A forma como cada colaborador expressa seu presenteísmo pode variar. Alguns não entregam todas as tarefas dentro do prazo, acumulando trabalho. Outros aparentam trabalhar mais, com horas extras, mas sem um efetivo aumento de produtividade. Outros trabalham no piloto automático e não vêem a hora de ir embora.

A verdade é: quem consegue se concentrar 100% em alguma atividade do trabalho, sabendo que tem um grande problema para enfrentar após sair do serviço?

O que fazer para reduzir o estresse financeiro?

Quando se fala que o estresse financeiro aumenta o presenteísmo, no primeiro momento, o problema parece ser apenas do colaborador. É ele quem precisa resolver as suas questões pessoais para se dedicar melhor ao trabalho.

Entretanto, não é bem assim!

A empresa pode, e deve, ter ações estratégicas para auxiliar o colaborador que está endividado, bem como para prevenir que outros não cheguem ao mesmo nível de estresse por conta de problemas financeiros.

Quanto mais próximo os gestores estiverem dos colaboradores, mais seguros e confiantes eles se sentem. E isso contribui positivamente para a motivação e a melhora no desempenho.

Por isso, um dos primeiros passos para prevenir o presenteísmo é estabelecer uma comunicação direta e honesta entre os funcionários, gestores e setor de RH.

Posteriormente, algumas ações podem ajudar a melhorar a saúde financeira da equipe. Veja a seguir:

Educação financeira

Essa deve ser uma medida para orientar os empregados sobre como fazer uma boa administração do salário, evitando grande parte do estresse financeiro.

Dicas de como ter gastos racionais e importância de ter uma reserva de emergência para lidar com imprevistos, devem estar no programa.

Elaborar um plano de educação financeira é uma forma de cuidar do bem-estar dos seus colaboradores.

Veja também:  Como fazer uma gestão logística eficiente

Rever a remuneração

Fazer alterações na folha de pagamento pode ser bem delicado para algumas empresas. Porém, pode ser uma necessidade que vai refletir diretamente no aumento da produtividade dos funcionários. 

Principalmente se a empresa estiver oferecendo salários abaixo da média do mercado.

Por isso, é bom fazer uma busca no mercado de trabalho da região para verificar qual é o salário médio para cada cargo da sua empresa. A partir daí estudar a possibilidade de rever a remuneração dos funcionários.

Também é válido ter uma política de planos de cargos e salários, com estrutura de progressão na carreira. Esse é um indicador bem positivo para os colaboradores.  

Para não comprometer a qualidade de vida e a motivação da sua equipe, certifique-se de oferecer uma remuneração adequada.

Salário sob demanda

Ainda sobre os salários, tem uma solução que já é tendência no mercado corporativo: a flexibilização do pagamento.  

Quando a empresa tem o costume de fazer o pagamento apenas no início ou no final do mês, os funcionários ficam limitados financeiramente. E muitos acabam se enrolando com multas e juros por atraso de pagamento, dívidas acumuladas ou recorrem ao cheque especial

Agora, quando é possível receber o pagamento dos dias já trabalhados quando quiser, o colaborador tem muito mais flexibilidade e autonomia para planejar o seu mês.

Essa é a proposta do salário sob demanda.  Remunerar os funcionários de acordo com os dias já trabalhados, mas ainda não quitados. Recomendamos a leitura desse artigo para você ficar por dentro dessa nova tendência de pagamento de salários.

O presenteísmo é um grande mal dos ambientes corporativos da contemporaneidade. Silencioso, mas muito nocivo, tem conseqüências graves para a saúde e produtividade dos colaboradores, gerando prejuízos financeiros para as empresas.

Cada dia mais, vida pessoal e profissional estão se mesclando. E tudo que acontece lá influência aqui, e vice-versa. Por isso, o mais importante para reverter o estresse financeiro é criar ações para garantir ou resgatar a motivação da equipe e espantar o presenteísta da rotina.

Esse artigo foi produzido pela Xerpa, uma empresa digital focada em melhorar a qualidade de vida dos colaboradores, proporcionando as melhores experiências no ambiente corporativo. Clique aqui e conheça as soluçoẽs que a empresa oferece aos seus colaboradores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *